BOLETIM449


FILTROS

Encontre mais facilmente o
Boletim 449 que deseja:


NEWSLETTER

Cadastre-se e receba e-mails com dicas e informações.

 
 



2019 | 2 de abril
> El Cruce de Los Andes 2018 by Carlos Bicca



EL CRUCE 2018
Dezembro de 2018, Púcon, Chile

Por Carlos Eduardo Bicca Marques (57 anos) - Cliente 449


Participar do “El Cruce de los Andes” não se limita a, somente (sic), percorrer 100 km em três dias, pela fascinante cordilheira sul-americana. Vai muito além! Envolve o desejo de desafiar a mente e provocar o corpo, superar limites, enfrentar o desconhecido; enfim, algo que está no espírito de aventureiros. Ainda não encontrei palavras para descrever...

Então, a ideia de cruzar a mística Cordilheira dos Andes vem de alguns anos atrás, quando li uma matéria sobre a prova (Revista Contra Relógio, ano 2012 ou 2013). Lembro que, à época, provoquei meu amigo Humberto para “embarcarmos nessa aventura”, em dupla. A provocação, entretanto, permaneceu adormecida por uns anos até que, em agosto de 2017, recebi o troco pela antiga provocação: Humberto me dizendo que as inscrições para o El Cruce 2018 estariam abertas no dia seguinte. Sem sequer nos atualizarmos sobre a prova, decidimos fazer a inscrição na modalidade team (a dupla deve correr todo o percurso, lado a lado). E assim fizemos. Para minha surpresa, alguns poucos dias após, soube que as inscrições já estavam encerradas, tamanha a procura.

A prova foi marcada para ocorrer em dezembro de 2018, ou seja, 16 meses após a inscrição. Isso me fez relaxar em relação à preparação para enfrentar o imenso desafio que me aguardava.

Mas a vida é como um longo e sinuoso rio... Não temos o controle do que ocorrerá no dia seguinte; não temos controle sobre o futuro. Isso interfere no cotidiano e, por consequência, nos planos e planejamento de um atleta amador que se dispõe a encarar uma prova com extrema exigência física e mental.

...

O tempo passou... E agora...?

Nos meses que antecederam o EL CRUCE (a partir de agosto de 2018), ainda que muito aquém do exigido para o que estava prestes a vir, participei de quatro meias-maratonas na modalidade trail run o que, até então, era desconhecido para um razoavelmente experiente maratonista “do asfalto” (17 maratonas).

Negligenciei muito nos treinos específicos para adaptar o corpo ao esforço a que seria submetido. Em paralelo, meu parceiro Humberto foi acometido por uma lesão no pé que pôs em risco sua participação na prova. Pensei em desistir de participar neste ano? Não! Humberto também mostrou-se convicto em participar. Rejeitei a proposta de desmembrar a parceria, pois poderia ser prejudicado na classificação no caso do parceiro não completar a prova. Por que? Acreditava em nossa capacidade de superação dos limites, caso isso se apresentasse no desconhecido futuro.

...

Chegou a hora!

Estávamos em Púcon: eu, minha esposa Cristina e Maya (nossa mascota como chamam os hermanos, da raça labrador), após 6 mil kms rodados na viagem de estreia da nossa casa rodante. Uma cidadezinha charmosa na Patagônia Chilena, às margens do Lago Villarrica, que se autodenomina “El Centro del Sur de Chile”. De qualquer lugar da cidade, avista-se a imponência do vulcão Villarrica, a poucos quilômetros dali. É um dos vulcões mais ativos da Cordilheira. Sim! Ele está “vivo e operante”. Há permanente fumaça saindo da sua cratera, a 2.847 msnm.

Uma semana antes da prova, tomei uma decisão inusitada, compartilhada com Cristina: vou ali, me apresentar ao Villarrica! Fui escalar um vulcão em atividade... Numa jornada de mais de quatro horas, subindo lentamente mais de 1.400 metros de altitude, inicialmente sobre rochas vulcânicas (uma espécie de areia marrom escura, que afunda o pé ao pisar) e, predominantemente, sobre neve (por vezes fofa, que afunda o pé até a canela; por vezes dura, que exige muito cuidado para não escorregar).

Alcancei la cumbre do Villarrica! Uma vista deslumbrante! Uma sensação de total impotência frente à grandiosidade daquilo que eu via sob meus pés e ao alcance dos olhos. A constatação mais humilde de que não somos nada, absolutamente nada, perante a Mãe Natureza! Teríamos alguns minutos lá em cima, antes de iniciarmos a descida. Observei aquela imensidão em volta: de um lado, o Lago Villarrica, Pucón e arredores, encobertos por uma densa nuvem, abaixo de nós. Do outro lado, visíveis, o enorme vulcão Lanín (na divisa entre Chile e Argentina) e, um pouco mais próximo... O vulcão Quetrupillán, menor que seus vizinhos, mas com muita neve. Era lá que eu estaria no primeiro dia de prova.

Antes de me despedir do Villarrica, tive a oportunidade de ouvir um “cochicho” dele, talvez um “boas vindas”, acompanhado de um cheiro forte que parece ser de enxofre. Foi um instante de reflexão. Uma reverência final em respeito à sua grandiosidade. Pensei comigo, sob emoção: hoje estou aqui, a 2.800 metros de altitude. Semana que vem estarei de volta, por suas encostas e trilhas, realizando aquilo que me referi no primeiro parágrafo: desafiando a mente e provocando o corpo. Com reverência!

Dia 05/12

Uma dia especial: 3º aniversário do meu netinho Ike, meu talismã desde que nasceu; e o vovô Bicca a milhares de quilômetros de distância, sem poder abraçá-lo. Um nó no meu coração.

Foi também o dia da abertura oficial da prova. O que eu não sabia era que o EL CRUCE não começa na largada, como todas as outras em que havia participado;  começa no dia anterior. Uma breve apresentação com o desfile das bandeiras dos mais de 40  países representados no evento. A atmosfera vai se transformando numa corrente de força mental, foco e emoção. Lembro de duas frases:

Disfrutem! Somos privilegiados por estarmos aqui.

Respeitem a natureza; respeitem o vulcão!

Palavras estimulantes, palavras intrigantes...

Dia 06/12 – 1ª etapa

Ainda escuro, saio do Camping La Poza, deixando minhas Cristina e Maya, para embarcar no ônibus que nos levaria até o local da largada, às 06h50 da manhã.

Temperatura fria; e um frio na barriga pela apreensão do desconhecido dos três dias a frente.

Largamos, lado a lado, eu e Humberto. Cada um com sua mochila contendo os itens de sobrevivência obrigatórios, hidratação e alimentação para o percurso.

Sobe e desce e sobe, sobe... Corre e caminha, dá um trotezinho pra superar mais um trecho menos inclinado, para e ajusta alguma coisa na mochila, volta a trotar e caminhar. Assim vencemos os primeiros 5K, até o primeiro oásis (local de hidratação oferecido pela prova). Sabíamos que, a partir daquele ponto, nossa jornada seria muito mais dura. Estávamos aos pés do vulcão Quetrupillán. Durante os minutos parados no oásis, já com o corpo aquecido, decidi tirar o casaco corta-vento (item obrigatório, fornecido pela organização da prova).

Retomamos o percurso. Após o 7º km, começou “de verdade” o EL CRUCE. Altimetria e terreno extremamente exigentes. Longas e muito íngremes subidas, participantes da prova em uma grande fila indiana, subindo a encosta do vulcão. Até chegarmos a um trecho com neve; muita neve. Vamos em frente, com os bastões para auxiliar a superar aquela quase insana subida.

Bem que me alertaram para treinar o uso dos bastões. Faltou treinar isso (também)... Não soube travá-los, o que me custou tempo e estabilidade em diversos momentos. Sem lamentar, sigo. Levanto a cabeça e vejo, à minha frente, uma imensa montanha branca, cortada por uma minúscula fila de pessoas, subindo rumo ao topo do majestoso Quetrupillán. Ah, natureza!

No meio dessa saga, uma parada necessária para vestir o corta-vento, touca e luvas. Fomos recebidos por uma intensa ventania, ainda a caminho do topo do vulcão. Foi o visual mais bonito que tive em toda minha vida de corredor amador. Abaixo e acima de onde me encontrava, só neve, cortada apenas por uma interminável fila de pessoas, cada uma com sua experiência naquele tipo de prova mas, seguramente, todas com o mesmo propósito e força interior para superar, passo a passo, aquele gigante branco que estávamos subindo. Foi incrível. Não existe uma palavra que traduza o sentimento de estar ali e ter força para continuar. A mente, desafiada, manda um recado: mantenha o FOCO!

Alcancei a altitude de 2.080 metros sobre o nível do mar (o vulcão tem 2.400m de altitude), os pés afundando na neve. Impossível não parar ali. Esqueci a corrida por um tempo. E contemplei aquele momento; mentalmente, agradeci pelo privilégio de estar ali! Cada minuto parado para apreciar aquela imensidão da natureza valeu muito. Provavelmente não voltarei aqui, pensei. Indescritível a sensação.

Pouco mais de 4 horas depois e estávamos no ponto mais alto da prova, mas só na metade do percurso. A partir dali percorreríamos uma constante descida de 14 km. Descida? Ah, alguém pode pensar que desse ponto em diante seria fácil. Engano.

Descidas íngremes também exigem muita força, além de joelhos e quadris treinados para isso. Além dos cuidados para evitar escorregões e tombos, que podem resultar em lesões sérias. Descer na neve e não escorregar é impossível. Em alguns trechos mais íngremes e com neve, foi impossível andar. A solução foi acompanhar os que iam na frente e descer de esquibunda. Superei o trauma e também fui. Estava de calção: levanta, sacode a neve e vamos em frente. Foram três trechos de esquibunda. Até que alcançamos o trecho já sem neve e nos deparamos com um bosque muito bonito e denso, com muitas árvores. E muitos galhos no caminho. Olhos muito atentos para o chão. Não posso cair.

Km a km, fomos descendo intercalando trote e caminhada. Pra não dizer que passei ileso na longa descida, um pequeno escorregão, sem nenhuma consequência, chegamos ao segundo oásis, onde fomos informados que a organização da prova decidiu suprimir um trecho de 5 km de montanha, por segurança dos participantes que estavam mais atrás (nossa situação).

Daquele ponto em diante, seria o mesmo percurso do início: um estradão corrível, predominantemente em descida. Mas já estávamos com quase 6 horas de prova, 2 horas da tarde e sol forte.

Hora de lembrar que no dia seguinte teríamos outros 32K para percorrer. Fomos intercalando trote e caminhada. Uma situação inusitada: sentia mais conforto para trotar na subida do que na descida. Coisas da preparação negligenciada, não por falta de orientação e alertas do treinador Filipe Aragão. Correndo e aprendendo, sempre.

Cheguei bem (isso era fundamental no planejamento), hidratei-me e segui no ônibus para o 1º acampamento, um episódio à parte (deixo isso para outro relato). Só um ponto a destacar: banho num rio, com água extremamente gelada. Era importante passar por essa crioterapia natural. Encarei e relaxei os músculos das pernas.

Resumo do dia: Corpo e mente!
28,3K _ 1.550 metros de ascensão _ 6h29’ (5h12’em movimento).

Dia 07/12 – 2ª etapa

Após cumprir os passos programados no Camp-1, ônibus até o local da 2a. largada. Alguma confusão por parte da organização que ocasionou atraso.

Largamos depois das 9 horas, já com sol alto e forte. O dia promete, pensei. Exigirá cautela desde o início.

Subida menos íngreme que no dia anterior, porém constante nos primeiros 16K. Pouca neve no percurso, mas nem perto do visual do dia anterior. Logo nos primeiros movimentos das pernas, a lembrança de que havia subido um vulcão menos de 24 horas antes.

Na passagem por um riacho, ainda durante a subida inicial, bati o dedão do pé esquerdo na frente do tênis e isso passou a incomodar um pouco. Com o tempo e a necessidade de cruzar outros riachos, senti que o pé molhado fez uma bolha. Nada que impedisse continuar, mas incomodou durante a longa descida, especialmente na parte final, num longo e íngreme trecho.

O sol forte se tornou impiedoso após o meio-dia. Tive que parar para reforçar o protetor solar no rosto e braços (corri todo o tempo de camiseta, com o corta-vento na cintura). No final, mais uma situação inusitada: estava trotando no sol e caminhando na sombra.

Corremos pelas encostas do vulcão Villarrica, aquele mesmo da escalada, uma semana antes.

Cheguei mais cansado do que no dia anterior, mas igualmente bem. De lamentar, além da bolha, um arranhão na mão esquerda a 100 metros da chegada, numa cerca de arame farpado que tinha ao lado de um obstáculo que precisávamos pular. Nada além de um pequeno arranhão, curado na água – ainda mais gelada - de um outro rio que nos acolheu, ainda mais gelado que o do dia anterior, apesar do intenso calor de 34ºC. Repeti a sessão de crioterapia natural de 10 minutos, para recuperação muscular. Uma sábia, porém difícil, escolha.

Resumo do dia: Mente e corpo!
32,2K _ 1.130 metros de ascensão _ 6h40’ (6h em movimento).

Dia 08/12 – 3ª etapa

O “dia da chegada!” Mais confusão na organização da locomoção dos participantes até o local da largada.

Largamos quase às 10h30. Felizmente, o tempo estava nublado e o clima ameno. Sabia que o percurso, o mais longo dos três dias, seria dividido em um início em subida muito forte e, da metade da prova até o final, um percurso totalmente “corrível”.

Era o terceiro e último dia, após já termos corrido 60 km, com muita variação da altimetria. Era a hora da verdade! Eu tinha consciência de que teria forças, pernas e mente para chegar bem ao pórtico, às margens do Lago Villarrica, em Pucón, depois desses derradeiros 34K.

Subi muito nos primeiros 6K, depois um trecho favorável e consegui correr por 2K.  Na sequência, outros 5K de subida, porém menos íngreme. No 14º Km, uma descida muito técnica, que exigiu muita cautela. A mente, sempre atenta, avisa: vá devagar, não é hora de arriscar e por tudo a perder. Mais 2K de estradão bom para correr e, no 17º Km, a última subida. Metade da última etapa superada.

Lembro que falei ao Humberto: - agora só faltam 17K!

E fomos ganhando terreno, km a km. A essa altura, todos os participantes “Avanzados” que largaram atrás de nós já tinham nos ultrapassado (um fato curioso neste 3º dia: predominantemente, nos ultrapassaram na descida próxima ao difícil 14º Km). Conseguimos alcançar e ultrapassar outras duplas.

Logo após nosso último oásis do EL CRUCE 2018, no 22º Km, atravessamos o asfalto da ruta Camino Internacional (estrada que leva até o Paso Mamuil Malal e ao vulcão Lanín) e pegamos uma grande reta de asfalto (!) ao lado da pista do aeroporto, onde passamos por uma placa anunciando: Pucón a 3 Km! Aquilo parecia uma miragem, mas a placa existia... A euforia tomou conta. Estávamos chegando!

Interrompemos o trote que vínhamos mantendo nos últimos quilômetros, peguei o celular para avisar Cristina que estávamos próximos. Em seguida, Humberto avisou Socorro. Voltamos a trotar, ainda no asfalto, imaginando que esse último trecho seria assim.

Mas o asfalto só durou 3K. Logo após o aeroporto, viramos à direita seguindo a orientação de uma voluntária da prova que nos disse: “- al final de la calle, por el sendero”.

Aquela placa de sinalização, para todos os desafiantes da Cordilheira, foi como uma miragem. O tal sendero nos reservava quase 8K de trilhas, rio com água na cintura, travessia de um riacho se equilibrando em um tronco de árvore, vegetação alta e, para recordar que estávamos prestes a nos tornar cruceros, um trecho final de 1,5K de areia preta e muito fofa da margem do Lago Villarrica.

Muitos voluntários nesse trecho final, em parte devido ao zigue-zague do percurso, mas também para incentivar os corredores, pois estávamos próximos de nos tornar cruceros. Outra voluntária orienta: “- por acá, por la orilla del lago!” (sempre que me recordo disso, me emociono).

Nesse ponto, quase 93K após a largada dois dias antes, MINHA ALMA QUERIA CHEGAR! Atravessei correndo aquela areia fofa até alcançar um trecho de areia batida junto à margem do lago onde parecia mais fácil correr. Sim, eu queria CORRER. Daquele ponto, avistei o pórtico de chegada!

Muito importante falar da importância da estratégia nutricional para chegar com energia até ali, após três dias de muito esforço, de muita força pra subir e descer trilhas entre vulcões. Devo um agradecimento especial ao amigo e profissional diferenciado Fernando, da Clínica 449. Suas orientações foram além da nutrição; me ajudaram a acreditar que eu seria capaz de alcançar tão desafiador objetivo.

Tive tempo de lembrar dos amigos que, de alguma forma, me ajudaram a chegar até ali, muitas vezes com uma singela palavra de incentivo. Estão todos representados pelo Humberto Freire, amigo de mais de duas décadas, com quem dividi essa aventura de vida, única. Obrigado, parceiro!

Lembrei de muita coisa que ocorreu desde a inscrição na prova, há mais de um ano. Lembrei da minha família, das pessoas que eu amo, que torciam por mim e que estavam na expectativa da minha chegada. Não imaginava que alguns estavam assistindo minha chegada, pelo site da prova, por streaming (o que seria de nós sem essa tecnologia).

Cada vez mais próximo do pórtico, não contive a emoção!

E acho que entrei numa espécie de transe, motivada pela expectativa de chegar.

Lembrei muito de meus pais que, por escolha divina, não podem compartilhar comigo dessa conquista, que também é deles, pela formação familiar, hereditária e fé em Deus que deles recebi.

Sobretudo, lembrei muito do meu netinho Ike, que fez aniversário na véspera da prova, a quem dedico muito do esforço que fiz para alcançar esse tão desejado objetivo. Ele ainda não é capaz de entender isso, mas entenderá um dia. Desde que nasceu, tem sido meu talismã nos momentos mais difíceis.

Por último, agradecimento infinito a quem me completa e dá sentido a  minha vida, para continuar perseguindo o novo, perseguindo o desconhecido, perseguindo a felicidade nas pequenas coisas do dia-a-dia: obrigado minha esposa Cristina! Obrigado, inclusive, por cuidar da Maya e fazê-la participar dessa viagem tão significativa em nossas vidas. O desejo de te ver e poder te abraçar na linha de chegada foram o oxigênio e o sangue que me deu a força necessária para que eu me tornasse um crucero da Cordilheira dos Andes!

Desafiei minha mente; provoquei meu corpo; superei meus limites; enfrentei o desconhecido; e... Venci.

Cruzei a linha de chegada!

Resumo do dia: Alma, mente e corpo!
33,9K _ 725 metros de ascensão _ 4h59’ (4h49’ em movimento).

Nunca tive dúvidas de que seria capaz de alcançar “La META”, como nossos vizinhos hermanos chamam a linha de chegada.

Foi uma jornada incrível!


Nessa prova tivemos ainda a presença de outros clientes 449: Giana Hahn, Magdy Blass e Milene Goulart.

Parabéns a todos!! ;)



Voltar para a lista

Clube449


Newsletter

Cadastre-se e receba e-mails com dicas e informações.

 
 

Contatos

(61) 3363-7449
(61) 98535-7449 (whatsapp)
clinica449 (skype)
contato@clinica449.com.br

CLSW 304 Bloco B Sala 103 - Sudoeste Brasília - DF | CEP: 70673-632

Busca

Encontre o que você precisa em todo o nosso site.